terça-feira, 5 de maio de 2009

Tribunal do Júri. Parte 3

Finalmente me reportarei ao crime e ao réu. O acusado, Janesso Ribeiro Lopes da cidade de Altamira do Ma, permaneceu sentado e de cabeça baixa durante todo o julgamento; ao ser inquirido pelo juiz sobre os atos pelos quais estava sendo acusado, o réu confessou a autoria do crime, descrevendo todos os pormenores. Pois bem... Vamos a eles. Segundo o Ministério Público, Jonesso, no dia 16 de janeiro de 2005, após ter passado o dia se divertindo e ingerindo álcool em um bar, passou em sua casa onde apanhou uma faca pontiaguda e dirigiu-se ao sindicato dos trabalhadores rurais daquele município. O acusado disse que tinha ido ao sindicato no intuito de tomar banho, uma vez que o local era usado por moradores para diversos fins, inclusive para tomar banho.

Ao chegar ao local aproximadamente às 23h30min, Jonesso se deparou com um senhor, popularmente conhecido como Julião, de mais de 70 anos de idade que dormia no interior do sindicato e, sem dar chance de devesa, desferiu inúmeras facadas no ancião; não satisfeito em matar, esquartejou o corpo e espalhou os membros por diversos cômodos do prédio.

Esse foi o crime confessado por Jonesso, que disse não ter motivos para tamanha violência e que só lembrava de ter dado o primeiro golpe. A arma usada foi localizada, à época, pela policia com a ajuda do próprio acusado.

Após as partes terem feito uso da palavra conforme a lei, o conselho de sentença, composto por cidadãos de Altamira, dirigiu-se à sala secreta juntamente com o juiz e as partes; em seguida o juiz leu a sentença a favor da condenação do réu. O veredicto foi a condenação por 12 anos acrescidos de um quarto pelas qualificadoras em regime fechado, totalizando 16 anos, sendo que o condenado já cumpriu quatro anos enquanto aguardava o julgamento.                 

2 comentários:

  1. Rpz a justiça é muito falha, soltar um bandido com a periculosidade desse tal de janesso, se fosse um roubo qualquer talvez ele nunca mais saisse da cadeia, como foi um crime "bárbaro", ele está aqui em altamira solto, apenas dormindo na cadeia,e só até o mês de junho, depois disso tará livre novamente nas ruas como se nunca tivesse feito nada. é um absurdo.

    ResponderExcluir
  2. Esse julgamento modificou a rotina dos moradores de Vitorino. Todos aqui pensávamos que esse rapaz fosse passar uns bons longos anos na prisão. A sensação dos presentes, após a sentença condenatória, foi de alivio, de esperança e confiança na justiça. Agora, porém, ao sabermos que ele já se encontra em liberdade a sensação é a de que fomos traídos e ludibriados pela justiça dos homens.
    ...
    Agradeço a você de Altamira que nos deixou a par da atual situação do caso.

    ResponderExcluir

Aguarde! Publicaremos seu comentário.