quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Aniversário de Vitorino Freire, 61 anos, o que comemorar?

O aniversario de 61 anos do município de Vitorino Freire foi um dos mais sem graça de sua história, afinal de contas, o povo não tem muito que comemorar; a situação por aqui fica mais difícil a cada dia, a renda do vitorinense caiu consideravelmente, os índices de violência nunca foram tão altos.

Os três pilares de sustentação da sociedade, educação, saúde e segurança pública, nunca estiveram tão abalados em nossa cidade. A educação, que em nosso município normalmente já não é a adequada, ficou pior com os professores em estado de greve por tempo indeterminado, corremos o sério risco de perdermos uma geração inteira. A saúde, assim como a educação, funciona de forma precária, corremos o risco de perder o único hospital da cidade por questões financeiras. A segurança pública, apesar de está presente, não atende à demanda da sociedade; praticamente todos os dias uma pessoa é brutalmente assassinada em Vitorino, os índices são alarmantes. 

O poder executivo decidiu racionalizar os recursos e canalizar para outros fins. O poder legislativo que deveria fiscalizar e defender os interesses da sociedade atua contra ela, e se antes os vereadores mal se reuniam, agora nem isso acontece mais; pois podem alegar que a câmara de vereadores está ocupada pelos professores em greve, estes ocuparam a casa na noite do dia 24, véspera de aniversário da cidade.

Não é à toa que o povo não saiu para comemorar, simplesmente porque não há o que comemorar, há sim! muito a lamentar. Lamentar a morte de um jovem de 17 anos, morto dia 24, lamentar a morte de um comerciante morto hoje, dia 26; esses foram os presentes que a cidade ganhou. Quantas outras pessoas já não morreram tragicamente somente este ano por falência do poder público em nossa cidade?

Sair de casa em Vitorino é arriscar literalmente a própria vida. Não temos segurança no transito, ver-se crianças e pessoas embriagadas pilotando veículos, adolescentes fazendo malabarismos sobre suas motocicletas. O consumo de drogas disparou, morre o traficante, morre o viciado e morre o policial; famílias estão sendo destruídas cotidianamente e nem nos chocamos mais com tanta violência, uma verdadeira banalização da vida humana.


Temos o que comemorar nesse dia 25 de setembro?!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Nos momentos de crise é que cresce

Vitorino está passando por um momento político delicado, o perfil conservador da atual administração e sua tentativa de enxugar a máquina pública ao estremo, tem trazido transtornos à população e prejudicado a economia do município. Diante dessa situação, a sociedade civil vem tentando se organizar para ter força, voz e poder de interferir nas decisões da administração municipal, muitas delas arbitrárias até agora.

Um bom exemplo de contestação ao que tem sido imposto pela administração é a luta dos professores, a categoria está em greve a mais de um mês, apesar de haver uma clara demonstração de “politicagem” nas manifestações do sindicato que representa a categoria, o que também não é nenhum crime, convenhamos; cada um luta com as armas quem tem. Mas o que nos chamou bastante atenção é que pela primeira vez em sua história, Vitorino terá uma associação comercial. Está sendo gestada a criação da associação comercial de Vitorino Freire, graças a relevante queda nas vendas e negócios sofrida pelo setor, devido a falta de dinheiro nas mãos da população, consequência dos cortes de funcionários, atraso dos que continuaram trabalhando e não contratação dos concursados.

E a pergunta que todos fazem na cidade é uma só: “se antes, na administração Ribamar Rodrigues, o dinheiro que entrava dava para pagar todos os funcionários, inclusive dezenas de marajás, por que será que agora, se estamos pagando até um imposto criado pela atual administração, o dinheiro não dá para pagar nem o salário dos poucos que continuaram trabalhando?”

A associação comercial é a união de um setor que tem sentido os efeitos, em sua área de atuação, de uma administração insensível aos reais problemas da cidade, a exemplo dos professores. Quem sabe não teremos em breve uma associação de moradores também? Enfim, são formas democráticas de organização social de luta por interesses de uma coletividade.