quarta-feira, 7 de agosto de 2013

O atraso como política de governo.

O governo do Estado do Maranhão divulgou a lista com os nomes dos alunos classificados para vários cursos profissionalizantes de curta duração a serem ministrados em tele salas em escolas estatuais de todo o estado por meio da Universidade Virtual do Maranhão (UNIVIMA). O resultado da seleção reflete a dura realidade que posiciona o Maranhão entre os estados mais atrasados da federal, todos os cursos tinham o limite de 40 vagas por turma, entretanto, alguns cursos chegaram a não ter um único inscrito, como é o caso do município de Parnamara, para o qual foram disponibilizados dois cursos, Aux. de Administração e Aux. de Contabilidade, para o primeiro houve apenas um interessado e para o segundo curso “NENHUM ALUNO ENCONTRADO”. Em Turiaçu a situação foi ainda pior, não houve qualquer interessado para nenhum dos dois cursos oferecidos, é lamentável.

Em Vitorino Freire, a situação não foi muito diferente; foram oferecidos dois cursos: Aux. de Administração e Aux. de Contabilidade, é verdade que os cursos não são muito atrativos e não refletem a necessidade e a realidade local, assim como na grande maioria dos municípios que foram “contemplados” apenas com esses dois cursos que duram apenas dois meses e que na realidade é muito mais uma estratégia de política de pão e circo do que propriamente uma política de educação profissionalizante de qualidade e de retorno profissional para os estudantes. Mas de qualquer forma, o número de interessados é decepcionante e, de certa, forma tranquiliza os atuais governantes que há décadas têm cerceado direitos básicos dos cidadãos, disponibilizando sempre o mínimo e sugando o máximo. Faz parte da estratégia de dominação, manter a população alheia a sua própria miséria, dificultando o acesso das massas à educação que lhe permita abrir os olhos para sua triste realidade, um povo consciente representa uma ameaça iminente. Para demonstrar preocupação com o povo, vez ou outra, de preferência próximo a período eleitoral, aparecem esses programas sociais pontuais que, “em doses homeopáticas”, são dirigidos às massas, que se sentem assistidas com tão pouco justamente por estarem acostumadas com o pouco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Aguarde! Publicaremos seu comentário.