sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Participação especial.

Edvalson Bezerra Silva (Mocoin)*


V  entura! Sinônimo de sorte... de felicidade!
I   nda mais, como se preciso fosse: Boaventura!
T  u, na tua origem, és a saga aventureira de um lavrador,
O  “Centro dos Boas”, como te chamaram!
R  esolveram ver tuas entranhas e, dela, brotou leite...
I   nsípido, porque era água! Veio daí mais um
N ome: Água Branca. Ventura branca, Água boa...
O s teus nomes simbolizaram isso: o sonho dos teus filhos!

F izeram-te gente, com nome e identidade... O Estado
R etirou o pátrio poder, te deu liberdade política e, assim, te   
E manciparam em 1952! Alforria... liberdade... poder de
I  nfluenciar no teu presente e no teu futuro!
R eceba o abraço carinhoso dos teus filhos naturais, adotados...
E de todas as suas gerações, no ensejo de mais um aniversário!

*Edvalson Bezerra Silva (Mocoin), jornalista, professor e escritor, é natural de Vitorino Freire, Maranhão. Acróstico de 2009 em homenagem aos 57 anos de emancipação política do município.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

De Vitorino Freire para o mundo

No último domingo, o maranhense de Vitorino Freire, José Gutembergue, venceu a Corrida da Paz que aconteceu no Rio de Janeiro. Gutembergue é mais um vitorinense que um dia sonhou, acreditou e correu (literalmente) atrás de seus sonhos. 

Ele é a prova de que um sonho pode ser alcançado e que, independentemente de sua origem, ainda que seja no interior do Maranhão, num lugar chamado Vitorino Freire, é possível ser um grande campeão no mundo dos esportes.

Além da corrida de domingo, Gutembergue já havia vencido a Maratona Internacional Ecológica de Curitiba em 2004, a Maratona de Porto Alegre em 2005 e venceu também a Army Ten-Miler Race 2007, tradicional corrida que acontece em Washington, capital dos Estados Unidos da América.

Gutembergue é um grande exemplo para os jovens esportistas amadores de Vitorino que sonham em ser profissionais. Muitas vezes nossos jovens têm talento e capacidade para estarem na elite de qualquer esporte, mas acabam desistindo por falta de apoio e incentivo, seja por parte do círculo social em que está inserido, seja por parte dos que poderiam ajudar financeiramente e não o fazem.

Já passou da hora da nossa classe política desenvolver políticas públicas voltadas para o esporte em Vitorino. Gutembergue é um grnade exemplo da capacidade esportista da nossa gente, mas não é o único; há vitorinenses despontando em outros esportes, inclusive no futebol.  

Fica o recado para nossos políticos e empresários: quando nossos jovens baterem as vossas portas solicitando apoio, atendam; pois eles poderão se tornar grandes campeões, se não no esporte, mas com certeza na vida.

    

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Caso curioso

Uma senhora chegou à delegacia de polícia de Vitorino esbravejando, desesperadamente, que o filho tinha se matado e que a esposa do suicida encontrava-se trancafiada dentro da casa após ter sido mantida como refém por ele antes de se matar. Os policiais se deslocaram rapidamente para o endereço indicado pela mulher e, para surpresa de todos, não havia nada de anormal no local.

Não se sabe o que motivou a mulher a mentir na cara dura para as policiais. Talvez ela quisesse passar um trote, mas pra não gastar com a ligação, resolveu ir pessoalmente.

Um pouco de poesia

"É preciso estar sempre embriagado. Eis aí tudo: é a única questão. Para não sentirdes o horrível fardo do Tempo que rompe os vossos ombros e vos inclina para o chão, é preciso embriagar-vos sem trégua.
Mas de quê? De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira. Mas embriagai-vos.


E se, alguma vez, nos degraus de um palácio, sobre a grama verde de um precipício, na solidão morna do vosso quarto, vós acordardes, a embriaguez já diminuída ou desaparecida, perguntai ao vento, à onda, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo que foge, a tudo que geme, a tudo que anda, a tudo que canta, a tudo que fala, perguntai que horas são; e o vento, a onda, a estrela, o pássaro, o relógio, responder-vos-ão: 'É hora de embriagar-vos! Para não serdes os escravos martirizados do Tempo, embriagai-vos: embriagai-vos sem cessar! De vinho, de poesia ou de virtude, à vossa maneira'."

Baudelaire