sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Justificativa

As postagens foram temporariamente interrompidas por motivos de viagem. Desde a semana passada estou em Teresina por motivos educacionais. Mas dentro de poucos dias estarei de volta a Vitorino, mesmo que por pouco tempo, mas o suficiente para postar novidades.

sábado, 8 de agosto de 2009

Literatura: Cidade grande ou pequena?

Nas terras pequenas, onde as ambições e o egoísmo são relativos ao tamanho do lugar, são entretanto os corações extraordinariamente maiores que nas grandes capitais.
  • (...)
Parece que essa víscera diminui na razão inversa do engrandecimento de uma cidade; quanto maior for a terra, mais corrupto é o coração de seus filhos.
  • (...)
Esse desequilíbrio da fortuna produz o equilíbrio da balança social, o equilíbrio das classes. Do contraste das circunstâncias nasce a indústria e o comércio; estes são o progresso e a civilização. E o que fazem o progresso e a civilização ao contemplar a paz dos campos, a felicidade serena do lar, a fortuna dos obscuros e ignorados filhos da província? Riem-se grosseira e estupidamente.,
  • (...)
A hipocrisia é moeda corrente nos grandes meios e há como um comércio de ódios surdos entre os correligionários mais íntimos e comunicados desse círculo, dourado na superfície e podre no fundo. Tudo ofusca! Tudo luz! Porém nada conforta porque nada tem valor sincero e real.
  • (...)
Na província os sentimentos são mais nus e verdadeiros e as almas mais humanas e firmes. Aqui o coração é coração, o bom é bom e o mau é mau; aqui as mães são verdadeiramente mães, ali muito raras das vezes o são; aqui a mulher quer ser mãe para ser feliz, ali não quer ser mãe para não afear; aqui o amor e o casamento são coisas puras, fáceis e naturais, ali são jogos de especulação e de interesse individual. Nas terras pequenas o casamento é, em geral, uma conseqüência do amor; nas grandes, quando ele no casamento exista, o que rarissimamente sucede, é uma conseqüência do casamento, isto é, da convivência e do hábito.
  • (...)
Na província, enfim, cada um tem o seu coração, por ele vive e pratica, por ele ama e só ele delibera; na capital há somente um coração para todos, podemos dizer um coração oficial, uma víscera da nação, um aparelho mecânico e econômico – tem a mesma pulsação e o mesmo calor para todos; é quase que um coração artificial; é mais um objeto de luxo, que um órgão necessário; é uma tetéia dourada, é um boneco de papelão, é um rapo, é lama! Pode haver um bom povo numa grande capital, convimos, mas urge compreender que um bom povo não diz o mesmo que uma boa gente. Assim como uma atmosfera, aliás boa e salubre, se compõe de moléculas boas e más, cuja combinação produz magníficos resultados; assim também o povo de uma grande capital, como o de Paris, por exemplo, ou de Madri, pode ser bom no todo e ruim em partes.
Do livro: Uma Magrima de Mulher, de Aluísia Azevedo.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Notícia ruim é que vende jornal!

O assunto agora, ou melhor, há alguns meses, é a tal gripe suína. Em Vitorino Freire há muita gente inconformada com o fato de a gripe ainda não ter chegado por aqui, isso mesmo! Por incrível que pareça! Durante os dias de festa, houve rumores que algumas pessoas, vindas da região sul para participar da festa, estariam infectadas pelo novo vírus. Dizem as más línguas que uma dessas pessoas teria passado mal e encaminhada ao hospital da cidade.

Nenhuma dessas informações se confirmou. Tudo isso é uma conseqüência do pânico desnecessário que a mídia de massa tem transmitido à população sobre o assunto. Um flagrante de sensacionalismo. A verdade é que a mídia de modo geral adora uma tragédia: seja um acidente aéreo ou uma nova doença. A gripe suína mata tanto quanto a gripe comum, ou seja, menos de 1% dos infectados; Mas a impressão que a mídia passa é que a espécie humana corre um sério risco de ser dizimada a qualquer momento. Eh... Notícia boa não vende jornal e nem gera audiência... fazer o que...

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Sobre a Vaquejada

Bem! O evento foi bonito, tudo muito bem feito e organizado; foram três dias de disputas na arena e nas arquibancadas, com destaque especial para a abertura, um espetáculo à parte, um show pirotécnico com formas e cores variadas. Havia bastante gente de fora. A cidade esteve muito movimentada nesse período mas, infelizmente, como sempre acontece quando há muito gente e pouco espaço, tivemos alguns problemas: Um grave acidente envolvendo um carro e uma moto em uma das ruas de acesso, roubos e furtos no interior do parque e algumas brigas nas imediações do evento; mas no final o saldo foi positivo. A segurança policial foi reforçada dando uma tranquilidade maior ao publico e inibindo atuação maior dos bandidos.