sexta-feira, 31 de julho de 2009

Circuito maranhense de vaquejada

Começa hoje a tradicional vaquejada de Vitorino Freire, serão três dias de festa, encerrando o circuito maranhense de vaquejada 2009. Calcula-se que a premiação ficará em torno dos cem mil reais para os participantes. Considerada a maior festa da cidade, acontece no parque Luana todos os anos e atrai milhares de pessoas de toda região. O sistema de disputa é classificatório e eliminatório, tendo o participante que atingir a pontuação mínima para passar para fase seguinte; o campeão só é conhecido no terceiro e ultimo dia de prova. Após cada dia de disputa, que vai até a noite, acontece uma grande festa com a participação de bandas de forró e cantores sertanejos.

segunda-feira, 13 de julho de 2009

Nossos bosques tem mais vida

  • Nossas várzeas tem mais flores,
  • Nossos bosques tem mais vida,
  • Nossa vida mais amores.
  • Minha terra tem primores,
  • Que tais não encontro eu cá;
  • Não permita Deus que eu morra,
  • Sem que eu volte para lá;
  • Em cismar, sozinho, à noite,
  • Mais prazer encontro eu lá;
  • Minha terra tem palmeiras,
  • Onde canta o sabiá.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

Fundação Sarney desvia verba recebida da Petrobras

  • Entidade criada pelo senador recebeu da estatal R$ 1,3 mi
  • R$ 500 mil foram parar em firmas com endereços ‘fictícios’
  • R$ 30 mil desceram às arcas de uma TV e rádios da família

Num instante em que o grupo de José Sarney se une à oposição para mudar de assunto –em vez de Senado, CPI da Petrobras—os dois temas se misturam.

Descobriram-se indícios de que uma fundação privada criada pelo presidente do Senado desviou recursos recebidos da Petrobras.

A entidade se chama Fundação José Sarney. Funciona em São Luís. Administra um museu com documentos e peças do período em que Sarney presidiu o Brasil.

Deve-se a descoberta dos novos malfeitos aos repórteres Rodrigo Rangel e Leandro Colon. Levaram a notícia às páginas do Estadão.

Informam que a Petrobras repassou à fundação de Sarney, em 2005, R$ 1,3 milhão.

Dinheiro repassado a título de patrocínio.

Para quê? “Processamento técnico e automação do acervo bibliográfico” do museu de Sarney. Numa palavra: digitalização.

Conta a notícia que parte da verba foi malversada. Um pedaço, R$ 500 mil, foi parar nas contas de firmas de endereços fictícios.

Outro pedaço, R$ 30 mil, foi às caixas registradoras da TV Mirante e de duas rádios maranhenses: Mirante AM e Mirante FM. Todas pertencentes à família Sarney.

Os repórteres manusearam notas e recibos. Visitaram endereços de firmas que a fundação Sarney diz ter contratado. Eis alguns dos achados:

1. Parte da “comprovação” de despesas –R$ 145 mil— foi feita por meio de recibos da própria Fundação Sarney.

Um dos recibos (R$ 35 mil), é assinado por Raimunda Santos Oliveira. Anota: “Serviços [...] de elaboração do projeto de preservação e recuperação do acervo”.

Ouvida, Raimunda diz ter trabalhado na fundação entre 1990 e 1995, dez anos antes do patrocínio petroleiro.

E quanto ao recibo? "Não sei do que você está falando."

2. Chama-se Ação Livros e Eventos uma das empresas contratadas pela fundação. Uma das sócias é mulher de Antônio Carlos Lima, conheido como “Pipoca”.

Vem a ser ex-assessor de Roseana Sarney. Hoje, assessora o ministro Edison Lobão (Minas e Energia), apadrinhado de Sarney e superior hierárquico da Petrobras.

A Ação emitiu 34 notas. Coisa de R$ 70 mil. Têm números sequenciais. Algo que indica que a fundação era sua única cliente.

Ouvida, Alci Maria Lima, uma das sócias da mulher de “Pipoca” na empresa, disse desconhecer a natureza dos serviços prestados:

"Eu assinei o recibo, mas não sei o que foi que a empresa fez, não."

3. Outra empresa que prestou “serviços à fundação de Sarney foi a Clara Comunicação. Pertence a Félix Alberto Lima, irmão de “Pipoca”.

As notas fiscais emitidas pela Clara somam R$ 103 mil. Félix diz que sua empresa divulgou atividades da fundação. Qual a ligação com o projeto da Petrobras?

Primeiro, Félix disse que não sabia explicar. Depois, informou que a divulgação referia-se ao projeto custeado pela estatal.

4. Centro de Excelência Humana Shalom, eis o nome de outra empresa contratada pela fundação do presidente do Senado.

Informa-se que prestou “serviços de consultoria”. Recebeu R$ 72 mil. Sua sede localiza-se na casa de uma professora chama Joila Moraes, em São Luís.

"A empresa é de um amigo meu, mas nunca funcionou aqui”, disse Joila aos repórteres. “Eu só emprestei o endereço".

A professora Joila é irmã de Jomar Moraes, que integra o Conselho Curador da Fundação José Sarney.

5. A MC Consultoria, outra prestadora de “serviços”, recebeu da Fundação Sarney R$ 40 mil.

Nos arquivos da Receita, o endereço da MC fica num prédio cujos funcionários, inquiridos, disseram jamais ter ouvido falar na logomarca.

6. A fundação de Sarney usou algo como R$ 15 mil do montante recebido da Petrobras para realizar pagamentos a um restaurante localizado na rua do museu.

Serviu para o custeio de marmitas. Valor unitário: R% 4,50. Quantidade de quentinhas: 3 mil.

Previa-se que o projeto bancado com dinheiro da estatal estaria concluído em 2007. O patrocínio encontra-se em fase de prestação de contas.

Tomada pelo plano original, a iniciativa deveria ter dotado o museu da Fundação Sarney de um lote de computadores.

As máquinas seriam instaladas nos corredores do museu. Serviriam para que os visitantes consultassem o papelório da época em que Sarney presidiu o país.

Os repórteres visitaram o museu. Fica num antigo convento, assentado no centro histórico da capital maranhense. Não há no local vestígio dos computadores.

A despeito de tudo, a Fuindação Sarney informa que todas as metas previstas no contrato de patrocínio petroleiro foram “cumpridas”

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Sarney comemora a morte de Michael Jackson.

Para Sarney a morte de Michael Jackson não poderia ter acontecido em momento mais oportuno. Com a mídia ocupada em cobrir a morte do astro, Sarney viu-se aliviado por algum tempo. Enquanto as lentes mudam o foco, Sarney deve estar de joelhos rezando com vela na mão agradecendo a Michael por ter jogado água na fervura e acalmado os ânimos revolucionários dos brasileiros indignados com o poder do coronel.

E para ficar ainda melhor! Vem aí o recesso de Julho. Parece que tudo saiu melhor do que esperava Sarney. Eh!... os pais-de-santo que intercedem pelo velho bigodão tem força mesmo! Conseguiram desviar a atenção do mundo e principalmente do Brasil de forma primorosa.

Na volta aos “trabalhos” após o recesso, ninguém lembrará mais, e se alguém lembrar, não terá força para continuar a mobilização; a mídia certamente não se reportará ao caso com o mesmo entusiasmo de antes e tudo continuará como sempre para Sarney, tranqüilo, mandando e desmandando na vergonhosa política brasileira.

É claro que estou torcendo para que minhas previsões estejam erradas e que o povo volte ainda mais unido e com vontade de chutar o bigodão rampa a baixo.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Nossa Terra do Nunca!

Aqui os políticos são responsabilizados e punidos? Nunca!
O restaurante do Congresso serve outra coisa, que não pizza? Nunca!
Os políticos são honestos? Nunca!
Os nossos representantes se importam com nossa opinião? Nunca!
Eles trabalham para o povo? Nunca!
Então... Welcome Neverland Brasil!

Dá pra confiar num cara desses?!

Quantas dessas pessoas citadas por Lula estão hoje no governo dele?! Lula traiu a confiança do povo.

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Sarney se rende e renúncia ocorrerá ainda hoje!

A página da revista Veja na internet garante que Sarney anuncia hoje à noite a sua renúncia. A decisão foi tomada hoje pela manhã depois que o PT anunciou que também irioa defender a sua renúncia. Leia matéria da coluna Radar, assinada por Lauro Jardim.

José Sarney decidiu renunciar à presidência do Senado. Ele oficializará essa posição hoje à noite quando conversar com Lula, que está chegando da África.

A decisão foi tomada hoje de manhã. Ontem, à noite, numa conversa com os filhos, também se disse decidido a sair da tormenta, renunciando. Os três filhos, Roseana, Sarney Filho e Fernando, apóiam a decisão. Marly, mulher de Sarney, é outra que pediu ao marido que saia de onde está.

texto completo http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/

Intensificação da campanha!

 Estamos quase lá... Agora é questão de tempo. O povo está mostrando que o Brasil não é mais o mesmo de anos atrás quando o Sarney era presidente. O tempo passou o povo mudou, só esse paspalhão não percebeu isso.